I Speak Earth. E você?

novembro 27, 2009 em Meio Ambiente, Ví­deo

I Speak Earth é mais uma inciativa para conscientizar a população global para a importância de um acordo na COP-15 e incentivar as pessoas de todo o mundo a se mobilizarem contra a mudança climática e a compartilharem a chamada para a ação com familiares e amigos através das redes sociais.

Foi o que fez o @prof_carvalho: compartilhou o vídeo, que é a peça principal da campanha, lá no twitter.

 Speak Earth!  Divulgue o vídeo!


 

Mensagens da WWF

abril 24, 2009 em Meio Ambiente

 

O Speckyboy Design Magazine fez a compilação de 55 propagandas de campanhas da WWF.

Veja algumas delas, clicando nas miniaturas ou no PicLens:

 

 


 

Via 2.0 Webmania

Ciclo do Perigo

outubro 17, 2008 em Campanhas, Meio Ambiente

Início

A estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB) explora urânio, desde 2000, da reserva de Caetité (Bahia). Sobre essa reserva, chamada Distrito Uranífero de Lagoa Real, no site da empresa:

Suas características – teor e dimensão de reservas estimadas em 100.000 toneladas, exclusivamente de urânio, sem outros minerais de interesse associados – foram determinantes na opção da INB por sua exploração. Esta quantidade é suficiente para o suprimento da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (usinas Angra I, II e III) por 100 anos e a continuidade das atividades de pesquisa e prospecção pode aumentá-la substancialmente.

 O Greenpeace divulgou o relatório "Ciclo do Perigo" sobre os impactos dessa exploração e como a geração de energia nuclear é perigosa e poluente desde a sua origem. O relatório mostra que ocorre a contaminação por urânio na água consumida pelos habitantes de Caetité e como a maioria da população desconhece os perigos a que está exposta.

O vídeo "O Ciclo do urânio", dividido em 5 capítulos, mostra o ciclo da energia nuclear no Brasil desde a sua exploração em Caetité até as usinas de Angra. Veja como a energia nuclear não é tão limpa como dizem por ai…

 

 

Capítulo 1: A mina

 

 

2:Transporte

3: A Denúncia

4: Angra

 

 

5: Revolução Energética

Leia o relatório [r]evolução energética

Faça a sua parte!

 

O que podemos fazer?

Um primeiro passo é  assinar mais um protesto: uma mensagem que será enviada para o Presidente Lula, para o Ministro da Ciência e Tecnologia, para a INB e para a CNEN.

 

 

 

 

Salvando as Baleias…

maio 23, 2008 em Campanhas, Meio Ambiente, Zoologia

O Instituto Baleia Jubarte realizou duas grandes expedições pelo litoral brasileiro para coletar mais informações sobre as baleias jubarte (população e distribuição) e fazer um levantamento de outras espécies de cetáceos ao longo de nossa costa. Os dados obtidos por essas expedições, mesmo que ainda preliminares, podem nos mostrar a importância da criação do santuário. Na Expedição Cetáceos do Nordeste foram registrados, segundo o relatório, "31 grupos de baleias jubarte, num total de 59 indivíduos, dos quais10 eram filhotes. A presença de filhotes foi observada em todos os estados do nordeste, onde se registrou a presença de baleias jubarte. Estes dados sinalizam a importância de todo o litoral nordestino para o nascimento e cria dos filhotes das baleia jubarte." Além da jubarte também foi encontrada a baleia-minke (Balaenoptera acutorostrata). Na Expedição Cetáceos do Sudeste foram registrados avistados "27 grupos de baleias jubarte, num total de 53 indivíduos e não foi observado nenhum filhote, o que não foi surpresa para a equipe, já que esta primeira fase foi realizada durante a chegada das baleias jubarte ao Brasil. (…) Além das jubartes foram avistadas outras espécies de cetáceos, sendo uma delas a rara baleia-sei (Balaenoptera borealis), a terceira maior espécie de baleia, que pode chegar a quase 20 metros de comprimento, a baleia-minke-antártica (Balaenoptera bonaerensis)". Numa segunda fase da expedição foram encontradas "Foram avistados 28 grupos de jubartes, num total de 65 baleias, das quais 15 eram filhotes. Dessa feita foram avistadas "baleias-de-bryde (Balaenoptera edeni) nas proximidades de Arraial do Cabo-RJ, e dois grupos muito próximos à vila do Abraão em Ilha Grande- RJ. Estas últimas apresentavam um comportamento que indicava que elas estavam se alimentando." O mesmo instituto fez uma terceira expedição, dessa vez para as Ilhas Geórgia. Nessa área apenas um dupla de baleias jubarte foi avistada e as outras "espécies observadas foram uma baleia-bicuda (Mesoplodon layardii), 3 baleias-franca (Eubalena australis), um grupo composto por 20 baleias-fin (Balaenoptera physalus), um grupo com 5 orcas (Orcinus orça)". Recapitulando, Temos nessa área em que se propõe a criação do santuário a presença de pelos menos as seguintes espécies:

Ainda segundo o Instituto Jubarte :

Apesar da diversidade de espécies avistadas, as densidades foram consideradas baixas pela equipe de pesquisa, levando-se em consideração a área percorrida (…) O baixo número de baleias encontradas, provavelmente reflete os dados históricos, que demonstram que as populações de baleias, principalmente jubartes, foram quase dizimadas do oceano austral. Outro fator a ser considerado é a movimentação das baleias em busca dos cardumes de Krill, um pequeno camarão que constitui seu principal recurso alimentar. O deslocamento das baleias para uma possível concentração de krill, por exemplo no Mar de Weddell, mais ao sul da área amostrada, pode ter influenciado os resultados obtidos.

São dados preliminares, outras pesquisas devem ser realizadas, mas esses dados podem servir de subsidio para a proposta de criação do “Santuário do Atlântico Sul”. santuárioE você também pode ajudar na criação desse santuário! Como? O Greenpeace disponibilizou um formulário online para o envio de uma carta para o presidente Lula pedindo que "o governo brasileiro atue de forma mais ativa, realizando gestões diplomáticas do mais alto nível, particularmente com relação aos países africanos que já estão sendo submetidos à forte pressão pelo governo japonês." Eu levei menos de 5 minutos para ler a carta, preencher o formulário e enviar a carta. Faça a sua parte, clique aqui e envie o seu pedido ao presidente! Esse post faz parte da blogagem coletiva proposta pela Carol do blog Meu Veneno.


Posts relacionados:

A trilha das grandes baleias Ajude a criar o Santuário de baleias do Atlântico Sul

Related Posts with Thumbnails